Textos da Coluna "Caminhos da Psique" no Jornal Folha do Sudeste




Olá Lindonas!
Como sabem, sou psicóloga também e resolvi disponibilizar aqui no blog os textos da minha Coluna "Caminhos da Psique" para o Jornal Folha do Sudeste, da cidade de Muriaé - Minas Gerais.
Nos textos, tento aliar a psicologia ao bem-estar, informar e conscientizar sobre diversos assuntos.
Dentre os mais variados temas, a finalidade maior é falar sobre questões de autoestima e o empoderamento feminino, pois, vejo em meu consultório a necessidade das mulheres, ainda nos dias de hoje, se amarem, não aceitar relacionamentos abusivos e ter o amor-próprio.
Espero que gostem dos textos. 
Tem sugestões? Críticas? Comentários? Deixe seu recadinho para mim, será muito bem-vindo!

PS: AO REPRODUZIR OS TEXTOS, FAVOR PASSAR COM OS CRÉDITOS, SINALIZANDO MEU NOME E O DO BLOG. OBRIGADA! ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------



A beleza de se valorizar

Pode parecer um assunto “batido”, mas insisto em falar da necessidade de nos valorizarmos como pessoa, em nossa profissão, em nossos relacionamentos, em tudo o que envolve nossa vida.

Em um mundo de muita individualidade, por vezes somos engolidos pela fala do outro, pela vontade e desejo de outra pessoa. Nos anulamos, aceitamos críticas sem sentido e até sofremos violência psicológica, aquela que ataca nossa moral, nosso emocional, que nos faz acreditar que não somos nada perante a pessoa que agride. Quando não nos damos conta de quem somos, o que queremos para nossa vida e aceitamos a negatividade do outro, perdemos nossa identidade, nos desmazelamos com a aparência e com nossos sentimentos, o que traz consequências, como baixa estima, sentimentos de inutilidade, desesperança, tristeza, insegurança, ansiedade... Tudo isso atrapalha no rendimento no trabalho, nos relacionamentos, na vida de um modo geral.

Por isso, precisamos parar e refletir se estamos vivendo em conformidade com nossa própria vontade, visando nossos desejos, tendo em mente nossas qualidades, nossos atributos físicos, emocionais, habilidades, capacidades... Será que eu sei reconhecer tudo isso em mim? Ou estou deixando de aproveitar oportunidades de mudança e melhora por não me valorizar?

Valorizar-se é cuidar de si mesmo, visando sua felicidade, seu bem-estar emocional. É conhecer seus limites e suas capacidades, colocar-se nas situações, valorizar sua opinião e se dar ouvidos também. Valorizar-se tem tudo a ver com a autoestima. Cada vez que nos importamos conosco, nossa autoestima cresce, ficamos mais confiantes, melhoramos nosso desempenho nas áreas de nossa vida. É um exercício diário.

Pare agora e reflita comigo:

Você tem se elogiado? Você acredita que pode sair da condição em que está vivendo? Você busca alternativas de mostrar as suas potencialidades? Você espera que os outros te reconheçam, mas nem mesmo você se reconhece e sabe dos seu potencial? Será que a imagem que você tem de si mesma (o) é aquela que corresponde à realidade? Você se deprecia? Você é depreciada por alguém?

Se a maioria das respostas for negativa, está na hora de mudar! Empodere-se, busque maneiras de se valorizar, de sentir que sua vida é importante e que vale à pena dar o melhor de si para si mesmo e para o mundo à sua volta. Saia do casulo! Você tem uma vida inteira de sucesso e realizações pela frente. Comece a mudança se redescobrindo, avaliando suas vontades, suas metas. Dê um basta nas coisas que te depreciam. Evite pessoas negativas, relacionamentos abusivos; diga “não” quando quiser e sim para o que realmente te faz feliz. Faça novas amizades que te impulsionem a melhorar. E porque não, fazer terapia? Rumo ao autoconhecimento. Comece com pequenos passos; o importante é nunca parar de ser você mesmo e de acreditar que você é a melhor parte de sua vida.

------------------------------------------------------------------------------------------------------ 
                                                        RESILIÊNCIA

O artigo de hoje parte de uma reflexão sobre os altos e baixos em nossa vida. Nunca vi até hoje alguém que não tenha passado por uma dificuldade, quer seja na vida pessoal, profissional, nos relacionamentos ou na saúde física ou mental. Vez ou outra bate à nossa porta um probleminha, uma questão que demanda um tempo e esforço nossos para resolvê-los e voltarmos ao estado anterior de equilíbrio. Uma hora a vida está boa, tranquila; outra hora, algo nos tira o sossego. Assim é a vida, com suas idas e vindas, nos mostrando a todo tempo que, para viver de uma forma mais equilibrada e com qualidade, é necessário termos a RESILIÊNCIA.

Mas... O que seria essa tão falada resiliência?

Segundo a autora Noronha (2009), a palavra resiliência origina-se do latim, resílio, re + salio, que significa "ser elástico". Sendo assim, ela é o processo pelo qual uma pessoa consegue superar as dificuldades (doenças, problemas sociais) através de uma adaptação ao seu contexto. E outras palavras, é a capacidade de vencer ou superar cada desafio que chega para nós. É uma habilidade que confere à nós uma força capaz de sair do “fundo do poço”.

Uma situação antes vista como impossível de se revolver, se olhada com calma, sendo resiliente, analisando as opções, pode vir a ter um desfecho bem melhor. Precisamos aprender a passar pelos obstáculos da vida com mais leveza, com responsabilidade, reavaliando nossas atitudes e comportamentos diante das situações. Outros pontos importantes que fazem parte da resiliência são a religiosidade, rede de apoio de familiares e amigos e a participação em grupos sociais.
Estudos relatam que a prática religiosa pode contribuir como um fator positivo no enfrentamento das dificuldades e com relação a situações estressoras. Já a rede de apoio pode funcionar como um amparo, possibilitando à pessoa um modo de refazer sua vida, de lidar com o que está causando o sofrimento. Quanto à participação em grupos sociais, estes proporcionam um bem-estar e apoio emocional, que refletem no modo como as pessoas lidam com os eventos estressantes (SIMÂO, 2012).
Diante de tudo isso, percebemos que ser resiliente no mundo de hoje parece ser o ponto-chave de nossa vida. Muitos são os obstáculos que enfrentamos, como pais, filhos, educadores, profissionais em geral. Muitas são as nossas questões. E a reavaliação, essa habilidade de adaptação frente às situações adversas, a RESILIÊNCIA é uma ótima opção para mantermos nossa saúde mental e qualidade de vida


Nenhum comentário:

Postar um comentário

ELIZA MACEDO
LAYOUT POR LUSA AGÊNCIA DIGITAL